quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

FIM DO MUNDO? NÃO!

EDITORIAL


"[...]os adeptos sinceros do Espiritismo não se devem deixar influenciar pelo moderno terrorismo de natureza mediúnica, encarregado de amedrontar, quando o objetivo máximo da Doutrina é libertar os seus adeptos, a fim de os tornar felizes.[...]" (*)

Com grave preocupação, acompanhamos a repercussão, na mídia, das mais diversas versões desse suposto “fim do mundo” para o dia 21 de dezembro de 2012.

Tão logo esse tema passou a ser considerado mais amplamente pelos leitores e leitoras dos mais diversos veículos de comunicação, procuramos nos posicionar sobre o assunto.

Os textos que postamos a esse respeito estão reunidos no ‘marcador’Transição Planetária (coluna fixa, lado direito).

Neles está contida a essência do nosso posicionamento, ou seja, o que pensamos dessa temática, cuja fundamentação encontra-se, principalmente, na Codificação Kardequiana, não se tratando, portanto, de meras ilações de nossa parte.

Preocupa-nos, também, as temíveis consequências que podem acarretar toda essa divagação (é essa mesma a palavra) em torno de um assunto, que, não podendo se considerado complexo, já que claramente explicado pela Doutrina Espírita, deve ser classificado como delicado, pois que mexe, não apenas com o imaginário das pessoas, mas também com a parte mais sensível do ser humano: o medo, o pânico!

E isso se agrava, na medida em que se aproveita a ocasião para se explorar, com franca negligência, a infeliz desinformação, a descrença em Deus e o fanatismo daqueles que, "tendo ouvidos de ouvir, não ouvem” e "tendo olhos de ver, não veem”.

Deus, Inteligência Suprema, Criador de todas as coisas, jamais haveria de derrogar suas leis, fulminando, num átimo e inexplicavelmente, uma humanidade inteira, um planeta, um sistema ou o que fosse de Sua Obra. Ou não seria Deus!

Em vista disso, reafirmamos, neste Editorial, a nossa crença, a nossa fé e a nossa plena convicção na Mensagem dos Espíritos Superiores contida na Terceira Revelação, a Doutrina dos Espíritos, codificada, em 1857, por Allan Kardec.

E, neste momento de tantas especulações, entregamos à profunda meditação do nosso leitor/leitora, importante mensagem do Espírito Vianna de Carvalho, intitulada “Terrorismo de Natureza Mediúnica”, recebida pelo médium Divaldo Pereira Franco, em 7 de dezembro de 2009, durante o XVII Congresso Espírita Nacional, em Calpe, na Espanha, a qual, pela relevância, plena atualidade e natural extensão, vai postada em página especial, que pode ser acessada aqui.

Na oportunidade, formulamos sinceros votos de Paz e Luz neste Natal, e um 2013 de muito Progresso para a nossa Humanidade.
Jacaraípe – Serra – Espírito Santo - Brasil, em 19 de dezembro de 2012.
O Editor
*  *  *
(*) Da mensagem "Terrorismo de Natureza Mediúnica,
pelo Espírito Vianna de Carvalho, psicografada por Divaldo Pereira Franco.

2 comentários:

  1. Olá, Francisco!

    De extrema pertinência o posicionamento do editorial! É a lembrança precisa do suporte cristão e doutrinário no desvelamento acerca da comoção em torno do suposto fim.

    "E não há nada, nada, nada a temer... Pois força do bem é o maior poder!" São justamente estas luz e força espargidas ao longo deste muito preciso editorial que nos faz refletir o quanto precisamos retornar às verdades básicas, em vez de nos deixarmos levar pelas insensatas especulações hodiernas...

    Aliás, por tudo que vemos e vivemos, acredito mesmo que estamos longe do fim. Longe do fim do total do desamor, egoísmo e desigualdades diversas em nosso mundo. Estes sim nos levam ao fim moral, educacional e humanista de nossa sociedade. Contra este fim devemos e podemos bradar!

    Quanto ao resto, amanhã, depois de amanhã e adiante, estaremos aqui, como provas vivas que Deus é Amor, Paz e Ressurreição constantes do Bem em nossas vidas...

    Agradeço, Francisco, uma vez mais, pelo chamado e coragem neste veículo de comunicação em momentos tão turbulentos!

    Um grande e fraternal abraço a todos!
    André Luiz
    20/12/2012

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OLá, André Luiz!

      Muitíssimo sensibilizado, agradeçemos a sua carinhosa e inestimável manifestação. Suas palavras nos dão alento para não desistirmos diante das dificuldades, pois, como acreditamos, é em hora como esta que o Cristão deve florescer com o melhor de si.

      Um forte abraço e
      Muita Paz!
      Francisco.
      20/12/2012

      Excluir