terça-feira, 24 de dezembro de 2013

JESUS VIVE!


Por Leonardo Pereira*

Natal é recomeço e reestruturação e, sobretudo, renovação.

Nasce o Cristo de Deus, novamente, em cada coração. Lembrado por muitos, reverenciado por outros tantos, compreendido por poucos, Jesus prossegue, século a século, ampliando os horizontes da raça humana (principalmente dos cristãos), em relação ao seu nascimento, vida, morte e renascimento, mostrando que a continuidade de seus ensinamentos se sustenta na Verdade infinita do “amar a Deus, ao próximo e a si mesmo”.

Mais de vinte séculos, e ainda nos prendemos na necessidade de aparentar o nosso amor a Deus, mostrar aos outros que temos fé, que somos os filhos eleitos da divindade. Só que, a cada dia, nos distanciamos do Criador, vivenciando as querelas mundanas do deter, poder e consumir, demonstrando, com isso, a incompreensão do que recomendou o Nazareno: “Amar a Deus sobre todas as coisas”. O nosso amor, sem sombra de duvidas, está mais ligado a coisas e pessoas. Deus, quase sempre, não aparece nas prioridades do nosso dia a dia.

Por outro aspecto, com o nosso orgulho, rotulamo-nos com diversas denominações religiosas, buscando atender aos apelos do ego. Muitas vezes, com nossas consciências culpadas, tentamos “barganhar” com o Criador a nossa redenção, dizendo-nos seus filhos, sussurrando pelos cantos da alma que o Pai é maior. Mas vivemos com medo do autoencontro com essa Consciência Divina, que habita em todos nós, demarcando, no interior da cada alma, os caminhos que verdadeiramente levam ao Criador Supremo.  Fingimos fidelidade e sofremos, por não termos a fé, a certeza de que Deus está conosco em todos os instantes, principalmente nos momentos de dor. Prendemo-nos na forma, não na essência, transformando o Filho no Pai, trazendo a todo custo o atavismo dos sacrifícios do passado, colocando Jesus na condição de cordeiro que verte o sangue para aplacar a “ira” de um “deus”, rogando que tal sacrifício leve e lave os nossos desenganos.

Jesus, o maior Espírito que pisou sobre a Terra, “Guia e Modelo da humanidade”, conforme ensinam os imortais de “O Livro dos Espíritos”, não veio lavar com sangue as máculas da alma, pois o sangue não limpa as chagas do espírito, a não ser que isso seja traduzido como renascimento na carne (sangue), quando o espírito, então, tem a possibilidade de refazer seus caminhos, através de novas experiências, novas escolhas, nos campos benditos da prova ou da expiação.

Em verdade, Jesus veio no momento em que a humanidade necessitava avançar nos campos do espírito. Sua mensagem, portanto, não é para o homem da época: dirige-se ao espírito imortal, que avança e, enfim, pode compreender o legado do Amor, legado esse que tem o poder, sim, de acabar com os dramas e tramas relacionados com a mágoa, a raiva, o ódio e o desamor, responsáveis diretos por nos deixar na retaguarda evolutiva moral.

Neste momento do Natalício de Jesus, muitas vezes esquecemos o que realmente representa o seu nascimento. Nos ocupamos em dar e receber presentes, em festas diversas, em lautos jantares, e homenagear figuras criadas pelos marqueteiros de plantão, que nos induzem a consumir em nome de quem sempre nos ensinou a compartilhar.

Eu presenteio a quem gosto e gosta de mim; eu me reúno com os meus próximos, principalmente se “estes” são meus afetos, concordam comigo, ou estão na mesma classe social.

Por mais que estejamos aprendendo a amar na convivência familiar, não conseguimos ainda lançar o nosso olhar para além da barreira do conforto, observando que também o próximo se representa na figura do mais necessitado, e que na maioria das vezes nossas necessidades não são ganhar “coisas”.

Dar e receber: eis aí o maior dos presentes, já que é em nome de Jesus ou em sua homenagem, doação essa que pode ser resumida em algumas palavras, como: afeto, carinho, atenção, cuidado, perdão, solidariedade, justiça, caridade.

Exercitando cada uma dessas ações, nos encontraremos, de fato, amando o próximo como recomenda o Divino Amigo.

Entretanto, se amar o próximo não é tarefa das mais fáceis, imagine a recomendação de amar o inimigo? Parece tão distante de nós, que acreditamos muitas vezes como impossível de se praticar. Mas, pasmem, é possível! Jesus veio e viveu esse ensinamento. Depois, muitos outros seguiram esse preceito divino, amando sem distinção.

Amar o inimigo é igualmente um verdadeiro presente de Natal em nossas vidas. Podemos começar por não desejar o mal, não manter a mágoa, não revidar as ofensas. E, com toda a certeza, a cada ano, mês, hora, minuto, segundo, aprenderemos a perdoar, exercitando o amor em suas múltiplas faces.

Mas um questionamento ecoa na minha alma neste momento. E eu o repasso a você, que lê estas breves linhas: como posso falar de amor a Deus, ao próximo, a meu inimigo, se ainda não me amo?

É, caro peregrino (a)! A nossa estrada precisa ser pavimentada pelos ensinos de Jesus. Só assim compreenderemos que, se esse amor não começar por nós mesmos, não conseguiremos amar de verdade. Primeiro, eu preciso me amar, me aceitar como estou, gostar do que sou, parar de me culpar por não ser perfeito e trabalhar em prol da minha renovação.

No entanto, o autoamor, mesmo sendo tarefa urgente, não pode ser apressado. Não se consegue em “10 lições”. Começa de dentro para fora, na conquista da autoestima, valorizando o nosso momento reencarnatório, nossas famílias, nossa comunidade, nossas casas espíritas, nossa vida, enfim. Quando eu me amar, amarei com certeza o outro, por compreender que estamos na mesma caminhada evolutiva. Amando a mim e ao próximo, amarei também o inimigo do passado, que se tornará amigo, e aí sim, estarei na condição de amar a Deus, agora sobre todas as coisas. Isso é Natal. Natal com Jesus!

Que o Cristo de Deus renasça mais uma vez em nossos corações, pois Ele, acima de qualquer uma de nossas experiências, vive e permanece conosco!

*  *  *
(*)Leonardo Pereira é orador espírita e presidente do Grupo Espírita
Lamartine Palhano Júnior, situado no Bairro Goiabeiras-Vitória-ES.
Imagem:www.google.com. Acesso em:23/dezembro/2013.

domingo, 15 de dezembro de 2013

PRECE DE CARITA



Jardin des Plantes, o jardim botânico de Paris, com o Museu de História Nacional ao fundo,1840 - Glaziou
Pelo Espírito Carita

Deus, nosso Pai, que sois todo poder e bondade, dai a força àqueles que passam pela provação, dai a luz àquele que procura a verdade, ponde no coração do homem a compaixão e a caridade.

Deus! Dai ao viajor a estrela guia, ao aflito a consolação, ao doente o repouso.

Pai! Dai ao culpado o arrependimento, ao Espírito a verdade, à criança o guia, ao órfão o pai.

Senhor! Que vossa bondade se estenda sobre tudo que criastes.

Piedade, meu Deus, para aqueles que Vos não conhecem, esperança para aqueles que sofrem.

Que a Vossa bondade permita, hoje, aos espíritos consoladores derramarem por toda a parte a paz, a esperança e a fé.

Deus! Um raio, uma faísca do Vosso amor pode abrasar a terra; deixai-nos beber nas fontes dessa bondade fecunda e infinita, e todas as lágrimas secarão, todas as dores se acalmarão.

Um só coração, um só pensamento subirá até Vós, como um grito de reconhecimento e de amor.

Como Moisés sobre a montanha, nós estendemos os braços em vossa direção, ô poder, ô Bondade, ô Beleza, ô Perfeição, e queremos em qualquer sorte merecer a vossa misericórdia.

Deus! Dai-nos a força de ajudar o progresso a fim de subirmos até Vós; dai-nos a caridade pura, dai-nos a fé e a razão; dai-nos a simplicidade que fará de nossas almas o espelho onde se refletirá a Vossa Imagem."
*  *  *
Nota
A Prece de Carita (conhecida no Brasil como “Prece de Cáritas”) veio a lume pelo Espírito Carita, no Natal de 1873, por intermédio de Madame W. Krell, que atuava no círculo espírita de Bordeaux, França. A publicação da prece deu-se, originalmente, na obra de Madame Krell, “Rayonnements de la Vie Spirituelle”, na própria Bordeaux, em maio de 1875.
--------------------------------------------------------------------------
Leia mais sobre esta linda prece em:
------------------------------------------------- 
Acesso em: 18/setembro/2011.
Formatação atualizada em: 15/dezembro/2013.

domingo, 8 de dezembro de 2013

PRECE AOS BONS ESPÍRITOS


De "O Evangelho Segundo o Espiritismo",
de Allan Kardec, Cap. XXVIII, item 13.
Meu Deus,
permite que os bons Espíritos que me cercam venham em meu auxílio,
quando me achar em sofrimento, e que me sustentem se desfalecer.

Faze, Senhor,
que eles me incutam fé, esperança e caridade;
que sejam para mim um amparo,
uma inspiração e um testemunho da tua misericórdia.

Faze, enfim,
que neles encontre eu a força que me falta nas provas da vida e,
para resistir às inspirações do mal, a fé que salva e o amor que consola.
*  *  *
(Imagem: http://www.morguefile.com/). Formatação atualizada em 08/12/2013..
------------------------------------------------------------------
Leia também:
Salmo 91
------------------------------------------------------------