segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

GLÓRIA A DEUS NAS ALTURAS


Antonio R. Coutinho Júnior

Que, ao ensejo do Natal,
Ante a Estrela de Belém,
Da terra se vá o Mal,
Cedendo lugar ao Bem.

Busquemos na Manjedoura
Que o Cristo dignificou
A Santa Paz redentora
Com que Ele nos acenou.

E que toda a Humanidade
Se volte, por seu amor,
Tendo à frente a Caridade,
Qual no-la quer o Senhor.

E os “Homens de boa Vontade”
Possam buscar nas Alturas,
Cheios de sã humildade,
Muita Paz e mil venturas.

Que o Espírito de Natal
Possa reinar sobre a Terra
E, nela, afastado o Mal,
Haja só amor, não mais a guerra.

Sob as Bênçãos de Jesus,
Elevando os corações,
Que a Terra se faça Luz,
Para todas as nações.
*
(Do livro “Reflexões de Natal segundo o pensamento de 45 colaboradores espíritas”,
editado pelo Instituto Maria, Juiz de Fora-MG, 3ª Ed.1982,pág.57.)
Imagem: www.morguefile.com. Aceso em: 21/dezembro/2014.
*  *  *
Feliz Natal! Boas Festas!
É o que desejamos aos queridos leitores e leitoras do Blog.
* * *

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

SER FELIZ

Somos felizes...

a partir do momento em que fazemos de nossas condutas a real felicidade, aceitando cada etapa com certeza do bem realizado.
*
quando nos deparamos ante nós mesmos nas mudanças de nós para o bem-estar constantes em nós.
*
quando fazemos surgir o novo ante os obstáculos, verdade ante as dificuldades e incerteza.
*
quando temos a certeza que já nos encontramos ante este mundo de encontros e desencontros.
*
quando já atingimos o equilíbrio real que nos alimenta.
A.
🔵
___________________________________
Psicografia – Médium Alba Valéria Lopes – em 20/02/2012,
Comunidade Espírita Esperança - Vitória-ES.
Imagem: Paisagem da Suiça. www.google.com. Acesso em: 13/março/2012.
Formatação atualizada em: 13/janeiro/2017.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

ARTE E MISSÃO


Pelo Espírito Emmanuel
"[...]O artista verdadeiro é sempre o “médium” das belezas eternas [...]"
"Que é a Arte?" (1) -  A arte pura é a mais elevada contemplação espiritual por parte das criaturas. Ela significa a mais profunda exteriorização do ideal, a divina manifestação desse “mais além” que polariza as esperanças da alma.

O artista verdadeiro é sempre o “médium” das belezas eternas e o seu trabalho, em todos os tempos, foi tanger as cordas mais vibráteis do sentimento humano, alçando-o da Terra para o Infinito e abrindo, em todos os caminhos, a ânsia dos corações para Deus, nas suas manifestações supremas de beleza, de sabedoria, de paz e de amor."

"Todo artista pode ser também um missionário de Deus?" (2) - Os artistas, como os chamados sábios do mundo, podem enveredar, igualmente, pelas cristalizações do convencionalismo terrestre, quando nos seus corações não palpite a chama dos ideais divinos, mas, na maioria das vezes, têm sido grandes missionários das idéias, sob a égide do Senhor, em todos os departamentos da atividade que lhes é própria, como a literatura, a música, a pintura, a plástica.

Sempre que a sua arte se desvencilha dos interesses do mundo, transitórios e perecíveis, para considerar tão-somente a luz espiritual que vem do coração uníssono com o cérebro, nas realizações da vida, então o artista é um dos mais devotados missionários de Deus, porquanto saberá penetrar os corações na paz da meditação e do silêncio, alcançando o mais alto sentido da evolução de si mesmo e de seus irmãos em humanidade."
 *  *  *
(1)"O Consolador" - Q. 161; (2)"O Consolador" -  Q. 162.
(Do livro “O Consolador”, ditado pelo Espírito Emmanuel ao médium Francisco Cândido Xavier.
11ª Ed. FEB.1985: Questões 161 - p.100; e 162 - p.100/101.)
Imagem: www.google.com. Acesso em: 09/novembro/2012.
Formatação atualizada em:27/novembro/2014.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

EM SILÊNCIO


Pelo Espírito Emmanuel
"[...] o servidor sincero do Cristo fala pouco e constrói, cada vez mais, com o Senhor, no divino silêncio do espírito...[...]"
Se sabes, atende ao que ignora, sem ofuscá-lo com a tua luz.
Se tens, ajuda ao necessitado, sem molestá-lo com tua posse.
Se amas, não firas o objeto amado com exigências.
Se pretendes curar, não humilhes o doente.
Se queres melhorar os outros, não maldigues ninguém.
Se ensinas a caridade, não te trajes de espinhos, para que teu contacto não dilacere os que sofrem.
Tem cuidado na tarefa que o Senhor te confiou.
É muito fácil servir à vista. Todos querem fazê-lo, procurando o apreço dos homens.
Difícil, porém, é servir às ocultas, sem o ilusório manto da vaidade.
É por isto que, em todos os tempos, quase todo o trabalho das criaturas é dispersivo e enganoso. Em geral, cuida-se de obter a qualquer preço as gratificações e as honras humanas.
Tu, porém, meu amigo, aprende que o servidor sincero do Cristo fala pouco e constrói, cada vez mais, com o Senhor, no divino silêncio do espírito...
Vai e serve.
Não te dêem cuidado as fantasias que confundem os olhos da carne e nem te consagres aos ruídos da boca.
Faze o bem, em silêncio.
Foge às referências pessoais e aprendamos a cumprir, de coração, a vontade de Deus.
*  *
"Não servindo à vista, como para agradar aos homens, mas como servos do Cristo, fazendo de coração a vontade de Deus." - Paulo. (EFÉSIOS, 6:6.)
*  *  *
("Vinha de Luz" - EDIÇÃO INTERNET BASEADA
NA 14ª edição FEB - lição n.º 4, pág.10 . )
Imagem: www.morguefile.com Acesso em: 19/dezembro/2014.
Formatação  atualizada em: 15/dezembro/2014.

'A FAMÍLIA É O LUGAR'


A FAMÍLIA É O LUGAR

Composição: André Pirola 

Talvez eu viva bem sozinho
E assim possa continuar
Mas sei que tenho um compromisso
E eu não posso me enganar

Errar faz parte do caminho
Mas juntos vamos encontrar
O amor de mãe, de pai e filhos
A família é o lugar

São muitas casas pelo mundo
Mas muito poucas têm um lar
E eu vou tentar fazer de tudo
Pra esse laço apertar

Errar faz parte do caminho
Mas juntos vamos encontrar
O amor de mãe, de pai e filhos
A família é o lugar
A família é o lugar
A família é o lugar...

* * *

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

RAMATIS E A DOUTRINA ESPÍRITA


Pelo Espírito Ramatis (*)

"[...] o Espiritismo, lembrando a doce imagem de Jesus, estende o seu manto fraterno e, qual ave benfeitora, acolhe todos os seus simpatizantes e detratores, as luzidias mentalidades e as débeis cerebrações, os moços entusiastas e os velhos alquebrados, as almas passivas e os espíritos dinâmicos![...]"

"A doutrina espírita, como ciência e filosofia que disciplina e coordena os impulsos religiosos da criatura, para "religá-la" ao Criador, já pode ser considerada a mediadora crística de todos os esforços e movimentos ascensionais do homem.

Ela possui o "toque mágico" capaz de avivar raciocínios para as pesquisas mais aprofundadas no campo iniciático ou corrigir o pensamento infantilizado dos religiosos presos aos lendários dogmas carcomidos pelo tempo.

Na sucessão dos vossos dias, já podeis verificar que todas as soluções racionais, inconfundíveis e penetrantes no futuro, estão manifestas nos postulados espiríticos, assim como a loja floral possui as sementes das flores mais belas e de perfumes mais raros.

Qualquer acontecimento supranormal que atualmente se registra nas instituições ou hierarquias religiosas, nos departamentos administrativos, nos lares ou nas relações sociais do mundo, que desafiam as explicações lógicas da ciência acadêmica, terminam sempre obtendo a sua explicação racional e sensata sob o raciocínio espirítico! Aumenta a porcentagem das coisas que confirmam a revelação espírita e diminuem as que a desmentem!

Allan Kardec, sublimemente inspirado - o que lhe valeu a denominação de "a encarnação do bom senso" ante o seu esforço heróico de trabalho e de abnegação por uma idéia mais compatível com a celebração do século XX - codificou doutrina de tal envergadura e profundidade espiritual, que a simples adesão do homem aos seus postulados já lhe vale um diploma de bom senso e um emblema de sadia inteligência!

Quando a maioria dos conjuntos religiosos e espiritualistas se debilita pelo anacronismo de suas bases dogmáticas; quando os próprios esforços iniciáticos definham em grupos isolados e no silêncio egocêntrico das "afinidades coletivas", o Espiritismo, lembrando a doce imagem de Jesus, estende o seu manto fraterno e, qual ave benfeitora, acolhe todos os seus simpatizantes e detratores, as luzidias mentalidades e as débeis cerebrações, os moços entusiastas e os velhos alquebrados, as almas passivas e os espíritos dinâmicos!

E, contradizendo a própria ética de que, à medida que a ciência acadêmica evolui, enfraquecem-se os postulados infantis das religiões conservadoras, o Espiritismo remoça, reverdece e se amplia na sua configuração sensata e lógica, porque os experimentos científicos, em lugar de desmenti-lo, ainda o comprovam nos seus postulados de quase cem anos!

E quando a Ciência comprovar à luz meridiana dos seus gélidos laboratórios que o espírito é imortal e sobrevive à dissolução do corpo físico, paradoxalmente, não será a Ciência quem fará jus à glória da descoberta mas, na realidade, a doutrina espírita, que há de merecer então o galardão, como precursora do raciocínio científico e lógico, doado claramente às massas humanas!

Em conseqüência, esse mediador crístico, aferidor de raciocínios geniais e precursor das mais avançadas experimentações científicas relativas à sobrevivência da alma, assim como revelador da Lei da Reencarnação, será o mais importante "diapasão" para a decisiva afinação instrumental da orquestra religiosa do terceiro milênio!"
*  *  *
(*)Do livro "Mensagens do Astral", obra mediúnica
ditada pelo espírito Ramatis ao
médium Hercílio Maes, pág. 296. Editado em outubro de 1956.
Formatação acima: pelo Editor do Blog.
Imagem: www.google.com. Acesso em: 08/dezembro/2014.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

ADVERTÊNCIA

Paulo Bomfim (*)

Ai daqueles que brincam com a esperança de um povo!
Ai daqueles que se banqueteiam junto a fome de seus irmãos!
Ai daqueles que são fúteis numa hora grave, indiferentes num momento definitivo!
Ai daqueles que corrompem para tirar proveito da corrupção, que envenenam o mundo pela volúpia de caminhar impunemente entre ruínas!
Ai daqueles que fazem da mentira a verdade de suas vidas!
Ai daqueles que usam os simples como degraus de sua vaidade e instrumentos de sua ambição!
Ai daqueles que fabricam com a violência a trama do medo!
Ai daqueles que roubam ao próximo à alegria de existir!
Ai daqueles que usam dinheiro e o poder para prostituir, humilhar e deformar!
Ai daqueles que se atordoam para fugir das próprias responsabilidades!
Ai daqueles que traficam a terra de seus mortos, enxovalham tradições e traem compromissos com o presente e com o futuro!
Ai daqueles que se fazem de fracos no instante da tempestade!
Ai daqueles que se acomodam a tudo, que se resignam a tudo, que se entregam sem lutar!
Ai daqueles que loteiam seus corações, alugam suas consciências, transacionam com a honra, especulam com o bem, açambarcam a felicidade alheia e erguem virtudes falsas sobre pântanos!
Ai daqueles que concordam em morrer vivos!
*  *  *

----------------------------------------------
(*) - O poeta Paulo Bomfim nasceu em São Paulo no dia 30 de setembro de 1926, descendendo de bandeirantes e de fundadores de cidades. As origens da temática de “Armorial” circulam em suas veias. Jornalista profissional, iniciou suas atividades jornalísticas em 1945, no Correio Paulistano, indo a seguir para o Diário de São Paulo a convite de Assis Chateaubriand.Seu livro de estréia foi “Antônio Triste”, publicado em 1947, com prefácio de Guilherme de Almeida e ilustrações de Tarsila do Amaral.
**
Texto, perfil: http://www.paulobomfim.com/ .Acesso em: 08/dezembro/2014..
Imagem: www,google.com. Acesso em:08/dezembro/2014.

A CARIDADE

Pelo Espírito Cárita,
martirizada em Roma.
(Lião, 1861.)
"Chamo-me Caridade; sigo o caminho principal que conduz a Deus. Acompanhai-me, pois conheço a meta a que deveis todos visar.

Dei esta manhã o meu giro habitual e, com o coração amargurado, venho dizer-vos: Oh! meus amigos, que de misérias, que de lágrimas, quanto tendes de fazer para secá-las todas!

Em vão, procurei consolar algumas pobres mães, dizendo-lhes ao ouvido: Coragem! há corações bons que velam por vós; não sereis abandonadas; paciência! Deus lá está; sois dele amadas, sois suas eleitas.

Elas pareciam ouvir-me e volviam para o meu lado os olhos arregalados de espanto; eu lhes lia no semblante que seus corpos, tiranos do Espírito, tinham fome e que, se é certo que minhas palavras lhes serenavam um pouco os corações, não lhes reconfortavam os estômagos. Repetia-lhes: Coragem! Coragem!

Então, uma pobre mãe, ainda muito moça, que amamentava uma criancinha, tomou-a nos braços e a estendeu no espaço vazio, como a pedir-me que protegesse aquele entezinho que só encontrava, num seio estéril, insuficiente alimentação.

Alhures vi, meus amigos, pobres velhos sem trabalho e, em conseqüência, sem abrigo, presas de todos os sofrimentos da penúria e, envergonhados de sua miséria, sem ousarem, eles que nunca mendigaram, implorar a piedade dos transeuntes. Com o coração túmido de compaixão, eu, que nada tenho, me fiz mendiga para eles e vou, por toda a parte, estimular a beneficência, inspirar bons pensamentos aos corações generosos e compassivos.

Por isso é que aqui venho, meus amigos, e vos digo: Há por aí desgraçados, em cujas choupanas falta o pão, os fogões se acham sem lume e os leitos sem cobertas. Não vos digo o que deveis fazer; deixo aos vossos bons corações a iniciativa. Se eu vos ditasse o proceder, nenhum mérito vos traria a vossa boa ação. Digo-vos apenas: Sou a caridade e vos estendo as mãos pelos vossos irmãos que sofrem.

Mas, se peço, também dou e dou muito. Convido-vos para um grande banquete e forneço a árvore onde todos vos saciareis! Vede quanto é bela, como está carregada de flores e de frutos!

Ide, ide, colhei, apanhai todos os frutos dessa magnificente árvore que se chama a beneficência. No lugar dos ramos que lhe tirardes, atarei todas as boas ações que praticardes e levarei a árvore a Deus, que a carregará de novo, porquanto a beneficência é inexaurível.

Acompanhai-me, pois, meus amigos, a fim de que eu vos conte entre os que se arrolam sob a minha bandeira.

Nada temais; eu vos conduzirei pelo caminho da salvação, porque sou – a Caridade."
*  *  *
Mensagem integrante do Cap. XIII, item 13, de "O Evangelho Segundo
o Espiritismo", de Allan Kardec. (106ª ed. FEB.1992.)
Destaques pelo editor do Blog. Formatação atualizada em: 27/novembro/2014.
Imagem: www.google.com. Acesso em: 14/outubro/2011.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

ORAÇÃO AOS ESPÍRITOS MENSAGEIROS DE DEUS

Espíritos esclarecidos e benevolentes, mensageiros de Deus,

Que tendes por missão assistir os homens e conduzi-los pelo bom caminho, sustentai-me nas provas desta vida;

Dai-me a força de suportá-la sem queixumes;

Livrai-me dos maus pensamentos e fazei que eu não dê entrada a nenhum mau Espírito que queira induzir-me ao mal.

Esclarecei a minha consciência com relação aos meus defeitos e tirai-me de sobre os olhos o véu do orgulho, capaz de impedir que eu os perceba e os confesse a mim mesmo.

A ti sobretudo, meu Anjo Guardião, que mais particularmente velas por mim, e a todos vós, Espíritos Protetores, que por mim vos interessais, peço fazerdes que me torne digno da vossa proteção.

Conheceis as minhas necessidades; sejam elas atendidas, segundo a vontade de Deus.
*  *  *
("ORANDO AOS ESPÍRITOS MENSAGEIROS DE DEUS
De 'O Evangelho Segundo o Espiritismo' - Cap. XXVII - item 12)

DONA MORTE




"Dona Morte"
composição de André Pirola,
do CD '1857'

domingo, 30 de novembro de 2014

SINAIS DO TEMPO


'Sinais do tempo' 
Música espírita composta por André Pirola e apresentada durante a prévia para o EMEES (Encontro de Mocidades Espíritas do Espírito Santo) em Colatina - ES.

sábado, 15 de novembro de 2014

PÁGINAS


Pelo Espírito Emmanuel"

[...]Ainda que se origine da ação dos Espíritos desencarnados, supostamente superiores, a folha que não faça benefício em harmonia e construção fraternal é, apenas, reflexo de condições inferiores.[...]"
Toda página escrita tem alma e o crente necessita auscultar-lhe a natureza. O exame sincero esclarecerá imediatamente a que esfera pertence, no círculo de atividade destruidora no mundo ou no centro dos esforços de edificação para a vida espiritual.

Primeiramente, o leitor amigo da verdade e do bem analisar-lhe-á as linhas, para ajuizar da pureza do seu conteúdo, compreendendo que, se as suas expressões foram nascidas de fontes superiores, aí encontrará os sinais inequívocos da paz, da moderação, da afabilidade fraternal, da compreensão amorosa e dos bons frutos, enfim.

Mas, se a página reflete os venenos sutis da parcialidade humana, semelhante mensagem do pensamento não procede das esferas mais nobres da vida. Ainda que se origine da ação dos Espíritos desencarnados, supostamente superiores, a folha que não faça benefício em harmonia e construção fraternal é, apenas, reflexo de condições inferiores.

Examina, pois, as páginas de teu contacto com o pensamento alheio, diariamente, e faze companhia àquelas que te desejam elevação. Não precisas das que se te figurem mais brilhantes, mas daquelas que te façam melhor.
*  *
"Mas a sabedoria que vem do alto é primeiramente pura, depois pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem hipocrisia.” – (Tiago, 3:17.)
*  *  *
(Do livro "Pão Nosso", de Emmanuel,
psicografado por Chico Xavier. Lição nº 14. 16ª Ed. FEB. 1994.)
Formatação atualizada em: 01/novembro/2014.
Destaques pelo editor do Blog..
 Imagem: www.google.com. Acesso em:15/novembro/2014..

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

AMPLIDÃO




Composição de André Pirola

Hoje entendo que errei
Quantos planos eu fiz
Hoje estendo minha mão ao algoz que feri
Mas aprendo
Que a estrada é triste, a seguir
Sei das coisas
No entanto errei ao servir
Não penso mais em vingança
Em ódio ao viver
Pois sei que há na amplidão
O meu Deus pra querer
Eu quero é mais criar asas
O céu percorrer
Não morro mais nessa Terra
Feita pra aprender
Vou viver!
*  * 
Música (versão compacta) do CD solo "1857"
Ficha técnica do CD: Téc. de Gravação: Paulinho // Arranjos: Armando Sinkovitz // Violão, baixo, bateria, percussão: Armando Sinkovitz // Guitarra: Leo Carvalho // Teclado: Pedro Alcântara // Backing vocals: Marquinhos e Jaqueline // Produção: Armando Sinkovitz // Gravado e Mixado no Scalla Studio - Vitória-ES.
*  *  *

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO


'... porquanto uma virtude negativa não basta:é necessária uma virtude ativa...'
Meus filhos, na máxima: Fora da caridade não há salvação, estão encerrados os destinos dos homens, na Terra e no céu; na Terra, porque à sombra desse estandarte eles viverão em paz; no céu, porque os que a houverem praticado acharão graças diante do Senhor.

Essa divisa é o facho celeste, a luminosa coluna que guia o homem no deserto da vida, encaminhando-o para a Terra da Promissão. Ela brilha no céu, como auréola santa, na fronte dos eleitos, e, na Terra, se acha gravada no coração daqueles a quem Jesus dirá: Passai à direita, benditos de meu Pai. Reconhecê-los-eis pelo perfume de caridade que espalham em torno de si. Nada exprime com mais exatidão o pensamento de Jesus, nada resume tão bem os deveres do homem, como essa máxima de ordem divina.

Não poderia o Espiritismo provar melhor a sua origem, do que apresentando-a como regra, por isso que é um reflexo do mais puro Cristianismo. Levando-a por guia, nunca o homem se transviará. Dedicai-vos, assim, meus amigos, a perscrutar-lhe o sentido profundo e as conseqüências, a descobrir-lhe, por vós mesmos, todas as aplicações.

Submetei todas as vossas ações ao governo da caridade e a consciência vos responderá. Não só ela evitará que pratiqueis o mal, como também fará que pratiqueis o bem, porquanto uma virtude negativa não basta: é necessária uma virtude ativa. Para fazer-se o bem, mister sempre se torna a ação da vontade; para se não praticar o mal, basta as mais das vezes a inércia e a despreocupação.

Meus amigos, agradecei a Deus o haver permitido que pudésseis gozar a luz do Espiritismo. Não é que somente os que a possuem hajam de ser salvos; é que, ajudando-vos a compreender os ensinos do Cristo, ela vos faz melhores cristãos.

Esforçai-vos, pois, para que os vossos irmãos, observando-vos, sejam induzidos a reconhecer que verdadeiro espírita e verdadeiro cristão são uma só e a mesma coisa, dado que todos quantos praticam a caridade são discípulos de Jesus, sem embargo da seita a que pertençam. - Paulo, o Apóstolo (Paris,1860)🔵
_______________________________________
KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo O Espiritismo. 112ª ed. Rio [de Janeiro]: 
FEB, 1992. Cap. XV. Instruções dos Espíritos. Item 10. Págs. 251/252.
Imagem: www.google.com. Acesso em: 02/06/2012.
Formatação atualizada em: 11/maio/2017.
Destaques do Blog.

terça-feira, 4 de novembro de 2014

O SUICÍDIO E SUAS CONSEQUÊNCIAS

 
"[...] A religião, a moral, todas as filosofias condenam o suicídio como contrário às leis da Natureza. [...]ninguém tem o direito de abreviar voluntariamente a vida. [...]"
Allan Kardec, em "O Livro dos Espíritos" (download gratuito no Portal FEB), dedica ao preocupante problema do suicídio e suas consequencias quinze importantes questões (Parte Quarta, Cap. I, questões 943 a 957), as quais os Espíritos Codificadores respondem com muita clareza.  

Nesta oportunidade, para sermos mais objetivos, abordaremos apenas a questão 957, deixando ao nosso leitor/leitora a sugestão para um estudo mais completo do capítulo acima mencionado.

O suicídio é, de fato,  um problema dos mais penosos, verdadeira tragédia de nosso tempo, um mal que traz muitas dores e sofrimentos aos que são por ela atingidos, motivo pelo qual precisa ser bastante esclarecido nos seus desdobramentos espirituais, como uma espécie de "antídoto" a tanta provação.
Francisco.
*
* *

Q. 957 - "Quais, em geral, com relação ao estado do Espírito, as conseqüências do suicídio?"

R.: “Muito diversas são as conseqüências do suicídio. Não há penas determinadas e, em todos os casos, correspondem sempre às causas que o produziram. Há, porém, uma conseqüência a que o suicida não pode escapar; é o desapontamento. Mas, a sorte não é a mesma para todos; depende das circunstâncias. Alguns expiam a falta imediatamente,outros em nova existência, que será pior do que aquela cujo curso interromperam.”

 - Comentário de Kardec:

"A observação, realmente, mostra que os efeitos do suicídio não são idênticos. Alguns há, porém, comuns a todos os casos de morte violenta e que são a conseqüência da interrupção brusca da vida. Há, primeiro, a persistência mais prolongada e tenaz do laço que une o Espírito ao corpo, por estar quase sempre esse laço na plenitude da sua força no momento em que é partido, ao passo que, no caso de morte natural, ele se enfraquece gradualmente e muitas vezes se desfaz antes que a vida se haja extinguido completamente. As conseqüências deste estado de coisas são o prolongamento da perturbação espiritual, seguindo-se à ilusão em que, durante mais ou menos tempo, o Espírito se conserva de que ainda pertence ao número dos vivos. (Q. l55 e 165)

A afinidade que permanece entre o Espírito e o corpo produz, nalguns suicidas, uma espécie de repercussão do estado do corpo no Espírito, que, assim, a seu mau grado, sente os efeitos da decomposição, donde lhe resulta uma sensação cheia de angústias e de horror, estado esse que também pode durar pelo tempo que devia durar a vida que sofreu interrupção. Não é geral este efeito; mas, em caso algum, o suicida fica isento das consequências da sua falta de coragem e, cedo ou tarde, expia, de um modo ou de outro, a culpa em que incorreu. Assim é que certos Espíritos, que foram muito desgraçados na Terra, disseram ter-se suicidado na existência precedente e submetido voluntariamente a novas provas, para tentarem suportá-las com mais resignação. Em alguns, verifica-se uma espécie de ligação à matéria, de que inutilmente procuram desembaraçar-se, a fim de voarem para mundos melhores, cujo acesso, porém, se lhes conserva interdito. A maior parte deles sofre o pesar de haver feito uma coisa inútil, pois que só decepções encontram.

A religião, a moral, todas as filosofias condenam o suicídio como contrário às leis da Natureza. Todas nos dizem, em princípio, que ninguém tem o direito de abreviar voluntariamente a vida. Entretanto, por que não se tem esse direito? Por que não é livre o homem de pôr termo aos seus sofrimentos? Ao Espiritismo estava reservado demonstrar, pelo exemplo dos que sucumbiram, que o suicídio não é uma falta, somente por constituir infração de uma lei moral, consideração de pouco peso para certos indivíduos, mas também um ato estúpido, pois que nada ganha quem o pratica, antes o contrário é o que se dá, como no-lo ensinam, não a  teoria, porém os fatos que ele nos põe sob as vistas."
*  *  *
De "O Livro dos Espíritos". Parte Quarta - Das Esperanças e Consolações. Cap. I -
Das penas e dos gozos terrestres. Desgosto da Vida. Suicídio. Questão 957.
Imagem: www.google.com . Acesso em: 17/fevereiro/2013. 
Formatação atualizada em: 05/outubro/2014.. Destaques: pelo Blog.
--------------------------------
 Leia ainda:
Eutanásia
-----------------------------------

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

HOMENS DE FÉ

Pelo Espírito Emmanuel
“Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha.” – Jesus. (Mateus, 7:24.)
Os grandes pregadores do Evangelho sempre foram interpretados à conta de expressões máximas do Cristianismo, na galeria dos tipos veneráveis da fé; entretanto, isso somente aconteceu quando os instrumentos da verdade, efetivamente, não olvidaram a vigilância indispensável ao justo testemunho.

É interessante verificar que o Mestre destaca, entre todos os discípulos, aquele que lhe ouve os ensinamentos e os pratica. Daí se conclui que os homens de fé não são aqueles apenas palavrosos e entusiastas, mas os que são portadores igualmente da atenção e da boa-vontade, perante as lições de Jesus, examinando-lhes o conteúdo espiritual para o trabalho de aplicação no esforço diário.

Reconforta-nos assinalar que todas as criaturas em serviço no campo evangélico seguirão para as maravilhas interiores da fé. Todavia, cabe-nos salientar, em todos os tempos, o subido valor dos homens moderados que, registrando os ensinos e avisos da Boa Nova, cuidam, desvelados, da solução de todos os problemas do dia ou da ocasião, sem permitir que suas edificações individuais se processem longe das bases cristãs imprescindíveis.

Em todos os serviços, o concurso da palavra é sagrado e indispensável, mas aprendiz algum deverá esquecer o sublime valor do silêncio, a seu tempo, na obra superior do aperfeiçoamento de si mesmo, a fim de que a ponderação se faça ouvida, dentro da própria alma, norteando-lhe os destinos.

*  *  *
(Do livro "Pão Nosso", de Emmanuel, psicografado por Chico Xavier.
Lição nº 09. 16ª Ed. FEB. 1994.) Destaques pelo editor do Blog.
Imagem: www.google.com. Acesso em: 08/abril/2013.
Formatação atualizada em: 01/novembro/2014.

domingo, 2 de novembro de 2014

MOCIDADE

Pelo Espírito Emmanuel

"[...] A mocidade poderá fazer muito, mas que siga, em tudo, “a justiça, a fé, o amor e a paz com os que, de coração puro, invocam o Senhor”. [...]"
Quase sempre os que se dirigem à mocidade lhe atribuem tamanhos poderes que os jovens terminam em franca desorientação, enganados e distraídos.

Costuma-se esperar deles a salvaguarda de tudo.

Concordamos com as suas vastas possibilidades, mas não podemos esquecer que essa fase da existência terrestre é a que apresenta maior número de necessidades no capítulo da direção.

O moço poderá e fará muito se o espírito envelhecido na experiência não o desamparar no trabalho. Nada de novo conseguirá erigir, caso não se valha dos esforços que lhe precederam as atividades. Em tudo, dependerá de seus antecessores.

A juventude pode ser comparada a esperançosa saída de um barco para viagem importante. A infância foi a preparação, a velhice será a chegada ao porto. Todas as fases requisitam as lições dos marinheiros experientes, aprendendo-se a organizar e a terminar a viagem com o êxito desejável.

É indispensável amparar convenientemente a mentalidade juvenil e que ninguém lhe ofereça perspectivas de domínio ilusório.

Nem sempre os desejos dos mais moços constituem o índice da segurança no futuro.

A mocidade poderá fazer muito, mas que siga, em tudo, “a justiça, a fé, o amor e a paz com os que, de coração puro, invocam o Senhor”.
* *
“Foge também dos desejos da mocidade; e segue a justiça, a fé, o amor e a paz com os que, de coração puro, invocam o Senhor.” — Paulo.(2ª Epístola a Timóteo, cap. 2, vers. 22.)
* * *
(Do livro "Caminho, Verdade e Vida" - Lição nº 151 - Espírito Emmanuel /F.C.Xavier.)
Imagem: http://www.google.com/. Acesso em: 30.04.11.
Formatação atualizada em 01/novembro/2014. Destaques: pelo editor do Blog.

sábado, 1 de novembro de 2014

CONVITE AO BEM

Pelo Espírito Emmanuel

"[...] No Evangelho de Jesus, o convite ao bem reveste-se de claridades eternas. Atendendo-o, poderemos seguirao encontro de Nosso Pai, sem hesitações. [...]"

Em todas as épocas, o bem constitui a fonte divina, suscetível de fornecer-nos valores imortais.

O homem de reflexão terá observado que todo o período infantil é conjunto de apelos ao sublime manancial.

O convite sagrado é repetido, anos a fio. Vem através dos amorosos pais humanos, dos mentores escolares, da leitura salutar, do sentimento religioso, dos amigos comuns.

Entretanto, raras inteligências atingem a juventude, de atenção fixa no chamamento elevado.

Quase toda gente ouve as requisições da natureza inferior, olvidando deveres preciosos.

Os apelos, todavia, continuam...

Aqui, é um livro amigo, revelando a verdade em silêncio; ali, é um companheiro generoso que insiste em favor das realidades luminosas da vida...

A rebeldia, porém, ainda mesmo em plena madureza do homem, costuma rir inconscientemente, passando, todavia, em marcha compulsória, na direção dos desencantos naturais, que lhe impõem mais equilibrados pensamentos.

No Evangelho de Jesus, o convite ao bem reveste-se de claridades eternas. Atendendo-o, poderemos seguir ao encontro de Nosso Pai, sem hesitações.

Se o clarim cristão já te alcançou os ouvidos, aceita-lhe as clarinadas sem vacilar.

Não esperes pelo aguilhão da necessidade.

Sob a tormenta, é cada vez mais difícil a visão do porto.
*
“Mas, quando fores convidado, vai.” – Jesus. (Lucas, 14:10.)
* * *
(Do livro "Pão Nosso", de Emmanuel,
psicografado por Chico Xavier. Lição n° 39. 16ª Ed. FEB. 1994.).
Imagem: www.google.com . Acesso em: 08/dezembro/2011.
Formatação atualizada  em 01/novembro/2014.Destaques pelo editor do Blog.

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

NOS MOMENTOS GRAVES

Pelo Espírito André Luiz
"[...] Se você errou desastradamente, não se precipite no desespero. O reerguimento é a melhor medida para aquele que cai. [...]"

Use calma. A vida pode ser um bom estado de luta, mas o estado de guerra nunca uma vida boa.

Não delibere apressadamente. As circunstâncias, filhas dos Desígnios Superiores, modificam-nos a experiência, de minuto a minuto.

Evite lágrimas inoportunas. O pranto pode complicar os enigmas ao invés de resolvê-los.

Se você errou desastradamente, não se precipite no desespero. O reerguimento é a melhor medida para aquele que cai.

Tenha paciência. Se você não chega a dominar-se, debalde buscará o entendimento de quem não o compreende ainda.

Se a questão é excessivamente complexa, espere mais um dia ou mais uma semana, a fim de solucioná-la. O tempo não passa em vão.

A pretexto de defender alguém, não penetre o círculo barulhento. Há pessoas que fazem muito ruído por simples questão de gosto.

Seja comedido nas resoluções e atitudes. Nos instantes graves, nossa realidade espiritual é mais visível.

Em qualquer apreciação, alusiva a segundas e terceiras pessoas, tenha cuidado. Em outras ocasiões, outras pessoas serão chamadas a fim de se referirem a você.

Em hora alguma proclame seus méritos individuais, porque qualquer qualidade excelente é muito problemática no quadro de nossas aquisições. Lembre-se de que a virtude não é uma voz que fala e, sim, um poder que irradia.
* * *
(Do livro "Agenda Cristã", pelo Espírito André Luiz, 
psicografado por Francisco Cândido Xavier. 26ª ed. FEB. 1987.)
Formatação atualizada em: 311/outubro/2014. Destaques:pelo editor do Blog.
----------------------------------------------------
Leia ainda sobre este tema:
CALMA
-------------------------------------

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

ESMORECER NUNCA

Pelo Espírito Meimei

"[...] mergulha o próprio coração nas fontes da esperança e rejubila-te [...]"

Referes-te aos Mundos Superiores do espaço Cósmico, qual se a Terra não estivesse localizada nos céus. E pensas no Espíritos Angélicos, à feição de inatingíveis ministros do Eterno, mensageiros de forças prodigiosas que jamais alcançarás.

Entretanto, guardas contigo a mesma condição de imortalidade, tocada de dons sublimes que podes claramente desenvolver ao infinito. Por essa razão, convém saibas que, por muito extensas se te façam as necessidades e as lágrimas, carregas contigo o mais alto poder da vida.

Não creias compartilhem dele tão-somente os sábios e os justos, os santos e os heróis. Por mais ínfima se te mostre a situação, ei-lo contigo por marca de tua origem celeste.

Mesmo que estejas atravessando rudes e escabrosos caminhos de cinza e pranto, para que te soergas de quedas clamorosas, exibindo sinais de poeira e fel, ninguém te pode subtrair essa herança do Criador,  de cujo hálito nasceste.

Detém-te a pensar nisto e nunca esmoreças.

Ainda que os imperativos da experiência humana te hajam arrojado de luminosas eminências do serviço aos degraus mais obscuros do recomeço, mergulha o próprio coração nas fontes da esperança e rejubila-te, porque Deus te dotou com o Divino privilégio de trabalhar e de auxiliar.
*  *  *
(Do livro “CORAGEM”. F.C.Xavier/Espíritos Diversos.
Lição nº 20. CEC (Uberaba-MG). 29ª ed.1999.)
Imagem:
www.google.com . Acesso em:04/outubro /2011.

Atualização: 08.02.2013
-------------------------------------------------------------
Leia ainda:
---------------------------------------------------