quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

SEMEIA, SEMEIA

 Pelo Espírito Emmanuel
'...Planta a verdade e a luz, o júbilo e a bondade...'

Cada coração do caminho é comparável a trato de terra espiritual.
Muitos estarão soterrados no pedregulho dos preconceitos, ao pé de outros que se enrodilham no espinheiral da ilusão, requisitando tempo enorme para se verem livres. Entretanto, reflete na terra boa, lançada ao desvalimento.
É aí que todos os parasitos geradores da inércia se instalam, absorventes!... Terras abandonadas, terras órfãs!... Criaturas que anseiam pelo adubo da fé, almas que suplicam modesta plantação de esperança e conforto!...
Esses solos desprezados, muita vez, te buscam, fronteiriços... Descerram-se-te à visão, na fadiga dos pais que a dor imanifesta suplicia e consome; no desencanto dos companheiros tristes que carregam no peito o próprio sonho em cinza; no problema do filho que a revolta desgasta; na prova dos irmãos que sorriem chorando para que lhes não vejas os 
Se já podes ouvir o Excelso Semeador, semeia, semeia!...
Sabes que a caridade é o sol que varre as sombras; trazes contigo o dom de esparzir o consolo; podes pronunciar a palavra da bênção; consegues derramar o que sobra da bolsa, transformando a moeda em prece de alegria; guardas o braço forte que levanta os caídos; teus dedos são capazes de recompor as cordas que o sofrimento parte em corações alheios, afinando-as no tom da música fraterna; reténs o privilégio de repartir com os nus a roupa que largaste; nada te freia as mãos no socorro ao doente; ninguém te impede, enfim, de construir na estrada o bem para quem passa e o bem dos que virão...
🔹
Não te detenhas, pois, no vazio das trevas!...
Planta a verdade e a luz, o júbilo e a bondade.
Se percebes a voz do Excelso Semeador, escutá-lo-ás, a cada passo, rente aos próprios 
- Trabalha, enquanto é tempo e semeia, semeia!...🔵
______________________________
(Do livro “Opinião Espírita”. Espíritos Emmanuel e André Luiz.
Ditado ao médium Chico Xavier. 7ª Ed. Uberaba-MG. Edição CEC. 1990. Lição 42
[referência ao livro “O Céu e o Inferno”, Cap. VII, item 4].
Psicografia de Chico Xavier. págs.142/143.)
Imagem: www.google.com. Acesso em: 11/fevereiro/2013.
Destaques:do Blog.
Formatação atualizada em: 03/setembro/2017.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

CAMINHOS RETOS


Pelo Espírito André Luiz
Tempo sem desperdício.Trabalho sem desânimo. Estudo sem cansaço. Oração sem inércia.Alimentação sem abuso.Tranqüilidade sem preguiça.Alegria sem desordem.Distração sem vício.sem fanatismo.Disciplina sem violência.Firmeza sem arrogância.Amor sem egoísmo.Ajuda sem paga.Realização sem jactância.Perdão sem exigência.
Dificilmente libertar-nos-emos da ilusão que nos confunde a vida, se fugirmos de palmilhar esses caminhos retos, rumo à Imortalidade Triunfante.
*  *  *
(Do livro “Ideal Espírita”. Autores Diversos. Psicografia de Waldo Vieira.
7ª Ed. Uberaba-MG. CEC. 1973. Lição nº 58. p.143/144.)
Imagem: www.google.com. Acesso em: 16/setembro/2012.
Formatação atualizada em: 15/novembro/2015..

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

LOUVOR DO NATAL

Pelo Espírito Emmanuel
'... Salve, Cristo! Os que aspiram a conquistar desde agora, em si mesmos, a luz de teu reino e a força de tua paz, te glorificam e te saúdam! ...'
Senhor Jesus!

Quando vieste ao mundo, numerosos conquistadores haviam passado, cimentando reinos de pedra com sangue e lágrimas.

Na retaguarda dos carros de ouro e púrpura, em que lhes fulgia a vitória, alastravam-se, como rastros da morte, a degradação e a pilhagem, a maldição do solo envilecido e o choro das vítimas indefesas.

Levantavam-se, poderosos, em palácios fortificados e faziam leis de baraço e cutelo, para serem, logo após, esquecidos no rol dos carrascos da Humanidade.

Entretanto, Senhor, nasceste nas palhas e permaneceste lembrado para sempre.

Ninguém sabe até hoje quais tenham sido os tratadores de animais que te ofertaram esburacada manta por leito simples, e ignora-se quem foi o benfeitor que te arrancou ao desconforto da estrebaria para o clima do lar.

Cresceste sem nada pedir que não fosse o culto à verdadeira fraternidade.

Escolheste vilarejos anônimos para a moldura de tua palavra sublime... Buscaste para companheiros de tua obra homens rudes, cujas mãos calejadas não lhes favoreciam os vôos do pensamento. E conversaste com a multidão, sem propaganda condicionada.

No entanto, ninguém conhece o nome das crianças que te pousaram nos joelhos amigos, nem das mães fatigadas a quem te dirigiste na via pública!

A História, que homenageava Júlio César, discutia Horácio, enaltecia Tibério, comentava Virgílio e admirava Mecenas, não te quis conhecer em pessoa, ao lado de tua revelação, mas o povo te guardou a presença divina e as personagens de tua epopéia chamam-se “O cego Bartimeu”, “o homem de mão mirrada”, “o servo do centurião”, “o mancebo rico”, “a mulher cananéia”, “o gago de Decápolis”, “a sogra de Pedro”, “Lázaro, o irmão de Marta e Maria”...

Ainda assim, Senhor, sem finanças e sem cobertura política, sem assessores e sem armas, venceste os séculos e estás diante de nós, tão vivo hoje quanto ontem, chamando-nos o espírito ao amor e à humildade que exemplificaste, para que surjam, na Terra, sem dissensão e sem violência, o trabalho e a riqueza, a tranqüilidade e a alegria, como bênção de todos.

É por isso que, emocionados, recordando-te a manjedoura, repetimos em prece:

– Salve, Cristo! Os que aspiram a conquistar desde agora, em si mesmos, a luz de teu reino e a força de tua paz, te glorificam e te saúdam!...🔵
_____________________
(Do livro “Religião dos espíritos”, de Emmanuel,
psicografado por Chico Xavier, 4ª  Ed. FEB,1978.
[Reunião pública de 18/12/59, questão nº 1.017]. pág. 17.).
Imagem: www.google.com Acesso em: 03/dezembro/2015.
Formatação atualizada em: 15/abril/2017.

domingo, 6 de dezembro de 2015

O GRANDE RIO

Foz do Rio Doce - Regência - Linhares - ES

Pelo Espírito Casimiro Cunha


Em marcha laboriosa,
No sulco amplo e sombrio,
Profundo e silencioso
Eis que passa o grande rio.

Ao seu seio dadivoso,
Afluem fontes da serra,
Ribeiros de níveis altos,
Detritos de toda terra.

O rio mais elevado
Desce os montes à procura
De sua paz generosa
Na marcha calma e segura.

Por saber harmonizar-se
Nos bens do mais baixo nível,
Conserva toda a imponência
Da grandeza indefinível.

Faz caminhos gigantescos,
Cria povos eminentes,`
É ele quem leva ao mar
As águas dos continentes.

É pai das economias
De todo o humano labor,
Mas quase ninguém se lembra
Dessa dívida de amor.

Que importa, porém? O mundo
É o homem que esquece e cai,
Sem ver a missão do bem,
Nas bênçãos do próprio Pai.

O grande rio conhece
A luz desse imenso arcano
Sobre o nível mais humilde
Busca a força do oceano.

Assim também a alma grande,
Nas últimas posições,
Recebe as ânsias de paz
De todos os corações.
*
Em dores silenciosas,
É o grande rio que vai,
Dando o bem a todo o mundo,
Em busca do amor do Pai.
*  *
(Poesia do livro "Cartilha da Natureza", do
Espírito Casimiro Cunhapsicografado por Chico Xavier.Edição FEB.)
Disponível no site www.oconsolador.com.br . Acesso em: 05/dezembro/2015).
Imagem: www,google.com. Acesso em 05/dezembro/2015.
*  *  *
= Singela homenagem ao Rio Doce =