quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

SALMOS 23 - "O SENHOR É MEU PASTOR..."


1 O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará.

2 Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranqüilas.

3 Refrigera a minha alma; guia-me pelas veredas da justiça, por amor do seu nome.

4 Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam.

5 Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda.

6 Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na casa do Senhor por longos dias.
* * *
Fonte: Bíblia online. Acesso em: 22/janeiro/2015.
Imagem: www.morguefile.com. Acesso em: 22/janeiro/2015

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

A RIQUEZA REAL

    
Pelo Espírito Emmanuel
"Porque o meu Deus, segundo as suas riquezas, suprirá todas as vossas necessidades..." PAULO. (Filipenses, 4:19.)
Cada criatura transporta em si mesma os valores que amealha na vida.

Os sábios, por onde transitam, conduzem no espírito os tesouros do conhecimento.

Os bons, onde estiverem, guardam na própria alma a riqueza da alegria.

Os homens de boa-vontade carreiam consigo os talentos da simpatia.

As pessoas sinceras ocultam na própria personalidade a beleza espiritual.

Os filhos da boa-fé cultivam as flores da esperança.

Os companheiros da coragem irradiam de si mesmos a energia do bom ânimo.

As almas resignadas e valorosas se enriquecem com os dons da experiência.

Os obreiros da caridade são intérpretes da vida Superior.

A riqueza real é atributo da alma eterna e permanece incorrutível naquele que a conquistou.

Por isso mesmo reconhecemos que o ouro, a fama, o poder e a autoridade entre os homens são meras expressões de destaque  efêmero, valendo por instrumentos de serviço da alma, no estágio das reencarnações.

Desassisado será sempre aquele que indisciplinadamente disputa as aflições da posse material, olvidando que há mil caminhos sem sombras para buscarmos, com o próprio coração e com as próprias mãos, a felicidade imperecível.

A responsabilidade deve ser recebida, não provocada.

Muitos ricos da fortuna aparente da terra funcionaram na posição de verdugos do Cristo, sentenciado à morte entre malfeitores, entretanto, o Divino Mestre, com as simples e duras traves da Cruz, produziu, usando o amor e a humildade, o tesouro crescente da vida espiritual para os povos do mundo inteiro.
*  *  *
  (XAVIER,Francisco C.Ceifa de luz.Pelo Espírito Emmanuel.
2.ed.3.imp.(Coleção Fonte Viva).Brasília:FEB,2011.cap.11.)
Imagem: www.morguefile.com. Acesso em:16/janeiro/2015.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

CÓLERA


Pelo Espírito André Luiz

"[...] Evite a cólera como quem foge ao contato
destruidor de alta tensão. [...]"

A cólera apresenta dez negativas complexas que induzem a melhor das criaturas à pior das frustrações:

1. Não resolve.
    Agrava.
2. Não resgata.
    Complica.
3. Não ilumina.
    Escurece.
4. Não reúne. 
    Separa.
5. Não ajuda.
    Prejudica.
6. Não equilibra.
    Desajusta.
7. Não reconforta.
    Envenena.
8. Não favorece.
    Dificulta.
9. Não abençoa.
    Maldiz.
10. Não edifica.
    Destrói.

Evite a cólera como quem foge ao contato destruidor de alta tensão.

Mas se você amanhece de mau humor, antes que o flagelo se instale de todo na sua cabeça e na sua voz, comece o dia rogando à Divina Bondade o socorro providencial de uma laringite.
*  *  *
Do livro ‘O Espírito da Verdade, ditado pelos Espíritos Emmanuel e André Luiz,
psicografado por Chico Xavier e Waldo Vieira. 1ª ed. FEB. 1962. Lição. 45[E.S.E - Cap. IX – Item 10]. págs. 106/107.
Imagem: www.google.com. Acesso em:14/agosto/2012.

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

O CENTURIÃO E O CRISTO

O romance Herculânum tem como enredo o ambiente familiar e o círculo de amizades do patrício romano Cáius Lucílius, na cidade de Herculânum. O pano de fundo é a erupção do Vesúvio, no ano 79 d.C., que sepultou a referida cidade e Pompeia.

Como sobrevivente da tragédia, o mencionado personagem perambula na região de Nápoles e vem a ser acolhido por um eremita. Após superar o cansaço e a fraqueza, quando recobrou a consciência, iniciou um diálogo com seu benfeitor – que se identificou como “pai” João e seguidor do Cristo. Na ocasião, Cáius Lucílius confirmou que já havia recebido algumas informações superficiais sobre a nova “seita” da Judeia. Com o tempo, o eremita revelaria sua verdadeira identidade: o Centurião Quirílius Cornélius – que manteve contatos diretos com o Cristo, contando trechos de sua vida, inclusive que teria conhecido o avô de Cáius, à época comandante de uma legião nas Gálias.

Cáius então comenta que, pela primeira vez em sua vida, sentia-se só e abandonado. No diálogo, “pai” João lhe revelou que foi cristão dos primeiros tempos e que, àquela época, fora incumbido pelo seu comandante para realizar “um trabalho secreto”,1 dirigindo-se a ele nestes termos:

[...] o teu conhecimento da língua popular tornará mais fácil: parece que há mais de dois anos um homem de Nazaré, chamado Jesus, anda a percorrer em todos os sentidos a Galileia e as províncias limítrofes, pregando uma nova doutrina, curando enfermos e fazendo outros milagres. Nada disso me interessa nem me preocuparia, se não houvesse recebido do Sumo Pontífice um aviso secreto, que denuncia nesse homem propósitos políticos, por isso que se inculca descendente de antigos monarcas e pretende ser aclamado rei de Israel. [...]1

Atendendo às orientações de seu comandante, o centurião Cornélius se disfarça e se infiltra no meio do povo que seguia o Cristo. Em pouco tempo, ele reconheceu que se tratava de “uma personalidade única, a irradiar um encanto e um fascínio irresistível”.1 Quirílius Cornélius, profundamente impressionado com as pregações do Cristo, ficou intrigado:

[...] de como pudesse uma tal criatura ser considerada perigosa, de vez que o desprendimento por ele predicado só poderia tornar os homens desambiciosos e humildes.1

Passado algum tempo, o centurião Cornélius, em Jerusalém, soube que o Cristo estaria sendo julgado. Inconformado perguntou:

– E foi condenado o inocente? Como pôde Pilatos sancionar uma tal iniquidade?1

Chegando ao local dos infaustos acontecimentos, prossegue relatando:

[...] o preso foi confiado à minha guarda, até o instante em que devia partir, com dois outros condenados, para o lugar do suplício. [...] Fingindo rigorosa vigilância, postei-me à porta do compartimento [...]. Foi então que vi Jesus ajoelhado [...].1

Há diálogos entre o centurião e o Cristo. O autor espiritual identificou encarnações subsequentes do nobre soldado romano. Mas o importante foi sua efetiva conversão ao Cristianismo:

[...] pude compreender que, em tornar-me cristão, iria adquirir um grande benefício, qual o de aliviar os derradeiros momentos da vida terrena [...]2

No final do romance, há informações espirituais oportunas, relacionadas com os momentos da atualidade:

[...] “Baixai, misturai-vos com os vossos irmãos encarnados, provai-lhes a sobrevivência, a imortalidade, a cadeia engendrada pelo mal e poupai-lhe, dessarte, um demorado arrependimento mediante tremendas expiações.” A essa palavra de ordem, falanges se abalarão do Invisível e a Terra se coalhará de missionários obscuros, que, por suas faculdades, permitirão aos desencarnados manifestarem-se aos homens, deixando-se controlar de todos os modos. E, então, uma luta encarniçada se empenhará entre o cepticismo presunçoso e a verdade que não mais poderá ser abafada.

“Deveis visualizar, desde já, essa época de grandes lutas intelectuais, preparando-vos para atravessá-la em etapas sucessivas. Se, a esse tempo, tiverdes adquirido a força para o bom combate, ou seja, o domínio das próprias paixões, a fim de corresponder ao ataque do adversário, que não mais vos queimará o corpo mas há-de ulcerar-vos a alma – grande será a vossa recompensa e podereis, quem sabe, deixar este calabouço da Terra para ascenderdes a uma esfera melhor. Sonhai com esse futuro, caros irmãos atônitos, e trabalhai, pois áspero será o embate e… – ai de vós – ‘muitos serão os chamados e poucos os escolhidos’.”2

Fato histórico e curioso ocorreu com o tradutor de Herculânum, o ex-presidente da FEB, Manuel Quintão,3 ao vi sitar Chico Xavier na Fazenda Modelo, em Pedro Leopoldo (MG), quando eram lidos trechos do romance, tradução de 1937. Eis o relato de Quintão:

[...] vamos transcrever a curiosa mensagem que o anfitrião recolhera num dos seus serões íntimos, quando lia e comentava Herculanum, o precioso romance mediúnico do Conde Rochester, por nós traduzido. Neste comunicado, há dois pontos importantes a considerar: o primeiro, é que não se trata de uma obra de ficção, qual se poderia presumir, e o segundo, é que Emmanuel, este luminar da Espiritualidade renovadora dos nossos tempos, promete-nos para breve o romance da sua própria vida na Terra, ao tempo de Jesus, quando se chamou Publius Lentulus, altaneiro patrício romano.4

Emmanuel escreve significativa mensagem corroborando informações de Herculânum e anuncia:

“Algum dia, se Deus mo permitir, falar-vos-ei do orgulhoso patrício Publius Lentulus, a fim de algo aprenderdes nas dolorosas experiências de uma alma indiferente e ingrata”.5

Trechos desta mensagem, obtida no dia 7 de setembro de 1938, foram introduzidos na apresentação de Há dois mil anos.

O senador Publius Lentulus desencarnou em Pompeia durante a mesma erupção vulcânica. E no final do romance Há dois mil anos há assertivas espirituais coerentes com as de Rochester:

Numerosas legiões de seres espirituais volitaram, por vários dias, nos céus caliginosos e tristes de Pompeia.

Ao cabo de longas perturbações, Publius Lentulus e os filhos despertaram, ali mesmo, sobre o túmulo nevoento da cidade morta. [...]

Contudo, após as primeiras lamentações, ouviu uma voz cariciosa que lhe dizia brandamente:

– Publius, meu amigo, não apeles mais para os recursos do planeta terreno, porque todos os teus poderes terminaram com os teus despojos, na face escura e triste da Terra! Apela para Deus Todo-Poderoso, cuja misericórdia e sabedoria nos são dadas pelo amor do seu Cordeiro, que é Jesus Cristo!… 6

Emmanuel referenda o citado romance de Rochester e as duas obras Há dois mil anos e Herculânum expõem nuances de mesmos grupos de Espíritos e de outros, embora diferentes, se completam…

O importante é que passados quase dois milênios, nos encontramos no momento [...] em que se efetuará a aferição de todos os valores terrestres para o ressurgimento das energias criadoras de um mundo novo [...].7

E na época anunciada: “Porque muitos são chamados, mas poucos, escolhidos”. (Mateus, 22:14.)

REFERÊNCIAS:
1 KRIJANOWSKY, W. Herculânum. Pelo Espírito Conde J. W. Rochester. Trad. Manuel Quintão. 11. ed. 1. reimp. Rio de Janeiro: FEB, 2011. pt. 2, cap. O eremita, p. 187, 188, 190 e 191, respectivamente.
2 ____. ____. Epílogo – As sombras da cidade morta, p. 342 e 344.
3 CARVALHO, Antonio Cesar Perri de. Quintão introduziu Chico Xavier na FEB. Reformador. ano 132, n. 2.222, p. 5(259)-8(262), mai. 2014.
4 QUINTÃO, Manuel. Romaria da graça. Rio de Janeiro: FEB, 1939. p. 20-21.
5 XAVIER, Francisco C. Há dois mil anos. Pelo Espírito Emmanuel. 49. ed. 6. imp. Brasília: FEB, 2014. Na intimidade de Emmanuel – Ao leitor, p. 7.
6 ____. ____. cap. 10, Nos derradeiros minutos de Pompeia, p. 348.
7 ____. A caminho da luz. Pelo Espírito Emmanuel. 38. ed. 1. imp. Brasília: FEB, 2013. Introdução, p. 9.
*  *  *
Texto: disponível em:http://www.souleitorespirita.com.br/
reformador/noticias/o-centuriao-e-o-cristo.Acesso em: 29/dezembro/2014.
Imagem: www.google.com. Acesso em: 29/dezembro/2014.