terça-feira, 20 de dezembro de 2016

E OS REGENERADOS - QUEM SÃO?

DAYSE A. N. BUGNI

'... precisamos priorizar constantemente a nossa autoeducação, independentemente da idade que tivermos, visto ser o Espírito imortal que se educa....' 

Tendo como alicerce doutrinário o Evangelho Segundo o Espiritismo (E.S.E), diríamos que os regenerados são aqueles que herdarão a Terra como mundo de regeneração.

Mas, será apenas esta a colocação?

No E.S.E, em seu capítulo III - Há Muitas Moradas na Casa de Meu Pai -  e exatamente nos itens 16 e 17 - o Espírito Santo Agostinho nos fala dos mundos regeneradores.

Entre as informações, a mais compreensível e lógica é que os mundos regeneradores servem de transição entre os mundos de expiação e os felizes. E que fazemos essa transição como espíritos que somos.

Agora, reportemo-nos à condição universal de todo ser: todos somos médiuns, em maior ou menor grau. Portanto, se o somos, com certeza aceitamos a comunicabilidade entre os dois mundos ─ o “material e o espiritual” ─, compreendendo que vivemos no cotidiano e diuturnamente em sintonia com Espíritos. E por sermos possuidores desse dom, ao nos preparar para uma nova encarnação, assumimos importantes tarefas tanto em benefício dos necessitados quanto em nosso próprio benefício.

Pois bem, se estamos constantemente em relação com Espíritos, e conscientes da realização desse processo; e usando principalmente o conhecimento que Jesus nos legou,  vamos melhorando o relacionamento em favor dos necessitados e de nós mesmos.

Sabemos, também, por Kardec, na questão 459 de O Livro dos Espíritos, que os Espíritos influem em nossos atos e pensamentos muito mais do que imaginamos, a tal ponto de nos dirigirem.

Isto posto, sabemos que através dos nossos sentimentos e pensamentos é que vamos construindo o nosso ambiente e nossa vida futura, pois vivemos ligados, fluidicamente, ao mundo espiritual e, de acordo com o teor dos nossos sentimentos e pensamentos, atraímos sempre aqueles que se encontram em sintonia conosco.

Quando encarnados, escolhemos nossos amigos por simpatia e interesses. No relacionamento espiritual é a mesma coisa, a atração ocorre no sentir e pensar. Então, não fazemos escolhas: atraímos amigos e inimigos pelas nossas vibrações.

E os regenerados, então, quem são?

São exatamente aqueles que, num esforço contínuo e prioritário, conseguem educar suas emoções, sentimentos e pensamentos, interagindo com Espíritos que os possam auxiliar. Para isso, contudo,  é necessário o sentido de responsabilidade e comprometimento, não só no que fazem mas principalmente no que sentem e pensam  -  “vigiai e orai” (Mt - 26:36) .

Se aceitamos essa relação constante entre homens e Espíritos, se desejamos conviver com amigos que nos auxiliem no crescimento moral, não na solução de nossos problemas, mas nos orientando a perceber e analisar os mesmos e encontrar caminhos reais de resolução correta, precisamos priorizar constantemente a nossa autoeducação, independentemente da idade que tivermos, visto ser o Espírito imortal que se educa.

Esse comportamento nos leva à melhoria de nossos sentimentos, ações e pensamentos. Mas exige trabalho íntimo e conhecimento de nós mesmos e das leis de Deus em tudo que se relacione ao homem como ser espiritual encarnado, procurando perceber sempre o bem existente, não se esquecendo, porém, do mal (mas não valorizá-lo acima do bem!).

O Espírita coerente

Deus nos destinou o Bem, a Harmonia, o Belo, o Amor. O mal é algo que existe em nosso interior - por sermos imperfeitos, habitamos a Terra no estágio atual. Não é, pois, inerente a essa Essência Divina que nos criou. Por isso, se perseverarmos no Bem, está destinado a desaparecer. Devemos, assim, nos esforçar para perceber o Bem, sentir o Bem, pensar o Bem, e aí estaremos atraindo bons Espíritos, a nos auxiliar a emitir vibrações de paz para a humanidade.

Os habitantes do mundo espiritual são espíritos que já viveram na Terra, e, como nós, encarnados, estão em processo de evolução. Se sabemos que Deus é “a inteligência suprema e causa primária de todas as coisas” (Livro dos Espíritos – questão n.º 1); se admitimos a existência do Espírito, criado simples e ignorante, evoluindo a caminho da perfeição, segundo seu livre-arbítrio, então devemos aceitar a pluralidade dos mundos habitados, para que os espíritos possam viver de conformidade com as suas necessidades, capacidade e grau de evolução. A partir daí, temos um grande estímulo ao nosso progresso, e ao de toda a humanidade. E a Terra, por sua vez, evoluirá e se transformará, realmente, em um mundo regenerador.

Muitas vezes achamos a vida difícil, mas também sabemos que somos responsáveis por isso, visto que desrespeitamos as leis de Deus, originando-se aí a nossa responsabilidade no campo da Lei de Ação e Reação.

Reconhecendo que Deus nos deu um mundo maravilhoso como a Terra, cabe-nos amá-la e zelar por ela, aproveitando as oportunidades da convivência com homens difíceis, como todos o somos, aliás, e promover, dessa forma, o nosso desenvolvimento espiritual.

Sejamos, assim, em nosso viver cotidiano, o mais coerente que pudermos com os princípios básicos do Espiritismo, e seremos, certamente, os regenerados.
Dayse A. N. Bugni é integrante do Centro Espírita
'Francisco  de Assis' - Jacaraípe - Serra - ES.)
Imagem: http://www.google.com/
Formatação atualizada em: 29/julho/2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário