quinta-feira, 30 de agosto de 2012

RELIGIÃO E RELIGIOSIDADE


Por Andressa Bis Pirola Trancoso*

"...A religiosidade propicia a ação da piedade, o exercício da verdadeira caridade, o amor incondicional..."
Atualmente, as pessoas têm recorrido à religião na busca de soluções para os problemas cotidianos. Oram por saúde, paz, felicidade, por um amor, entre muitos outros pedidos. Há também as orações em torno da questão financeira (ganhar na loteria, um carro novo, etc.), sem contar os apelos para alcançar a “salvação”.

Muitos são os templos, de várias correntes religiosas, um lugares onde, de acordo com as afinidades, as pessoas podem exercer livremente as suas convicções religiosas. Verdadeira profusão de igrejas, que utilizam maciçamente a Mídia, especialmente a televisiva, sempre atentas ao acolhimento imediato dos que as procuram. É a festa dos templos, com cada um difundindo suas doutrinas, marcando o seu espaço, conclamando os seus fiéis à prática da religião.

Mas, interessa-nos, agora, destacar, nesse contexto, o aspecto religiosidade    sentimento valioso, que nos permite ultrapassar o mero estágio de “freqüentadores de templos”, porque independe de uma crença religiosa, de ações mecanizadas, de hierarquias. Sentimento que nos torna verdadeiros trabalhadores da seara do Bem, onde o que buscamos se revela dentro de nós mesmos − nas tarefas do dia-a-dia, nas pequenas ações, numa palavra amiga, num abraço afetuoso, na fraternidade, no desprendimento das coisas materiais, na compreensão do sofrimento do outro, enfim, na construção de um mundo pautado no Amor e na Caridade, conforme ensinado por Jesus - Cristo.

A religiosidade propicia a ação da piedade, o exercício da verdadeira caridade, o amor incondicional.

Muitos dos que se dizem “religiosos”  − “frequentadores de templos” − não trazem consigo a chama da religiosidade. Outros, não tão fiéis a cultos,  mostram-se verdadeiros trabalhadores do Cristo, disponíveis a todo o tempo e a toda hora, aptos a fazer o bem e a ajudar o próximo.

Assim, nessa busca incessante através da oração devemos almejar o que é bom e útil, para nós e para os que nos cercam. Às vezes, o nosso erro  é estar sempre à procura do supérfluo, deixando para trás ações importantes, a serem realizadas em prol da nossa evolução espiritual.

Os espaços religiosos são importantíssimos. São lugares onde podemos nos acomodar, devidamente, para o ato de contrição, para refletirmos sobre o lado espiritual de nossas vidas, no Ideal Maior de encontrarmos Deus. Mas, tal propósito deve-se fundamentar no sentimento de religiosidade, que podemos sintetizar, aqui, no exercício da Fé, do Amor e da Caridade.
* * *
(*Andressa Bis Pirola Trancoso é formada em Serviço Social,
com pós-graduação em Gerontologia Social
pela UFES - Universidade Federal do Espírito Santo.)
Formatação atualizada em: 03.05.2016.