MÃES ABNEGADAS FILHOS INGRATOS

Pelo Espírito Anália Franco

'...Filhos! Refleti enquanto ao vosso lado se encontra o
anjo maternal dando-vos amparo e carinho...'


Entre os graves comportamentos destrutivos que caracterizam a inferioridade humana, a ingratidão destaca-se, infeliz, sendo, porém, a dos filhos em relação aos pais, uma ulceração moral das mais perturbadoras.
 
A gratidão é o sentimento nobre que enriquece o Espírito de bênçãos, proporcionando-lhe saúde e bem-estar.


Exorna o caráter com os valiosos tesouros da fidelidade e da alegria de viver, facultando a visão otimista para uma existência de eloquente significado. A ingratidão é chaga moral que decompõe os sentimentos, trabalhando-os no processo degenerativo.


Pergunta-se: por que mães abnegadas, cujas existências são assinaladas pela ternura e devotamento, padecem a crueza de filhos ingratos que as crucificam nas traves invisíveis do martírio?


Essas carinhosas genitoras, mesmo sem o conhecimento consciente, identificam, nesses rebeldes rebentos da sua carne, seres que necessitam de amor, e, por mais sejam maltratadas, não diminuem, pelo contrário, aumentam a capacidade de resignação e de sacrifício para com eles.


São, esses filhos ingratos, aves que tiveram no passado as asas cortadas pela crueldade de parceiros infiéis, que os atiraram ao abismo do desespero e da loucura.


Algumas outras mães trazem inscritos na consciência os remorsos e as culpas defluentes de delitos cometidos contra eles em existências pregressas, de que não se reabilitaram, assinalando-os com mágoas e sentimentos doentios, de que hoje se utilizam para encontrarem uma paz mentirosa.


Certamente, a conduta odienta a que se entregam, em processo de vingança, não encontra justificativa em relação ao delito de que foram vítimas na anterior oportunidade, porque é da Lei divina o impositivo do perdão, e quando isso não seja possível, prevalece o dever de compreensão em referência à queda moral do seu próximo.

Elas, no entanto, durante a lucidez recuperada na Espiritualidade, conscientizando-se do clamoroso erro praticado, suplicam a Deus a oportunidade de recebê-los como filhos, sabendo que somente o poder do amor será suficiente para sanar-lhes as mágoas profundas e neles edificar os dons da amizade e do devotamento verdadeiros.


Santa Mônica, por exemplo, a cristã modelo, maltratada pelo filho ingrato, Agostinho de Hipona, suportou as suas diatribes e agressões, orando por ele e o amando sem cessar, por 27 longos anos, até o momento em que aconteceu a conversão que o levou a Jesus.


O algoz acalmou-se e a mãe feliz retornou à pátria ditosa, legando o cristão invulgar encarregado de servir à Humanidade desde o recuado século IV.


À sua semelhança, incontáveis mães sofridas conseguiram erguer os filhos rebeldes dos abismos aos quais se atiraram até às elevadas esferas do amor e da alegria de viver.


Mães abnegadas! Tende coragem e mantende a fé na divina Justiça, perseverando, animosas, ao lado desses filhos ingratos. Eles estão enfermos e  referem ignorá-lo.

Sois a luz na treva da desdita em que se debatem, recusando- -se à claridade libertadora.


Não vos aflijais em demasia, tendo em conta que eles são também filhos de Deus como vós próprias e não estão esquecidos...

Filhos! Refleti enquanto ao vosso lado se encontra o anjo maternal dando-vos amparo e carinho.

Se o desdenhais hoje e a vossa arrogância o pune injustamente, amanhã, quando ele houver partido da Terra, valorizá-lo-eis tardiamente no percurso solitário pelo deserto do arrependimento e da angústia.

Recomponde a paisagem mental e cuidai de aproveitar a santa oportunidade do convívio com o seu amor, a fim de vos encontrardes a vós próprios.


No jubiloso dia dedicado às mães, na Terra, embora todos os dias lhes pertençam, sede felizes, mulheres abnegadas, evocando e refugiando-vos na incomparável Mãe de Jesus, tornada sublime genitora de todas as criaturas!

*
(Página psicografada pelo médium Divaldo Pereira Franco,
na sessão mediúnica da noite de 13 de março de 2013,
no Centro Espírita Caminho da Redenção, em Salvador, Bahia.)
*  *
____________________________
Fonte: Revista Reformador - Ano 131 - nº 2.210 - Maio 2013.
Disponível no Portal Feb (www.febnet.org.br).Acesso em: 11/maio/2013.
Destaques:pelo editor do Blog.
Formatação atualizada em: 16/outubro/2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário