quinta-feira, 24 de abril de 2014

MATERNIDADE E PATERNIDADE


A Natureza deu à mãe o amor a seus filhos no interesse da conservação deles. No animal, porém, esse amor se limita às necessidades materiais [...]. No homem, persiste pela vida inteira e comporta um devotamento e uma abnegação que são virtudes. Sobrevive mesmo à morte e acompanha o filho até no além-túmulo.(O Livro dos Espíritos, questão 890.)
A Doutrina Espírita nos ensina que assim como temos as famílias constituídas pelos laços materiais, temos, também, as constituídas pelos laços espirituais. Estes laços espirituais são mais sólidos e duráveis do que os primeiros, visto que não estão sujeitos às instabilidades da matéria. Destaca, todavia, que a família espiritual se forma e se consolida com a prática da Lei de Amor no convívio da família corporal.

A Lei de Amor, que a tudo preside, deve, pois, estar presente em todos os atos, sentimentos e pensamentos do ser humano. Deve presidir o ato que permite ao Espírito retornar às experiências materiais pela reencarnação, especialmente o relacionamento com a mãe que com ele convive, na intimidade, durante a gestação, na formação inicial do seu corpo.

Pesquisas sobre o comportamento do ser humano vêm demonstrando que a causa predominante de desequilíbrio se situa na fase de gestação e nascimento do ser. A rejeição que muitos sentem, desde a simples dúvida dos pais quanto ao seu nascimento até a rejeição ostensiva e odiosa, leva esses seres a uma grave instabilidade comportamental, quer na área da integração social, quer na da própria aceitação pessoal. Em sentido oposto, os aceitos no lar, com real e manifesto amor dos pais, demonstram melhores condições morais e psicológicas para vencerem os naturais desafios da existência.

Observa-se, desse modo, a importância da paternidade e da maternidade ligadas à prática da Lei de Amor. Quando os pais e mães aceitam o filho, desde a concepção, com sincero sentimento de amor, amparando-o em suas necessidade de aprendizado e evolução, constroem as bases de um mundo de paz, uma vez que a primeira lição por ele vivida será a da fraternidade, do amor ao próximo, que lhe servirá de modelo para toda a existência.

Neste sentido, ensina-nos Allan Kardec (O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. XXII, item  3): 

Quis Deus que os seres se unissem não só pelos laços da carne, mas também pelos da alma, a fim de que a afeição mútua dos esposos se lhes transmitisse aos filhos e que fossem dois, e não um somente, a amá-los, a cuidar deles e a fazê-los progredir.”🔵
_________________
(Editorial da revista Reformador, de maio/2006, editada pela
Federação Espírita Brasileira, disponível
no Portal FEB. Acesso em: 23/janeiro/2012.)
Imagem: www.google.com. Acesso em: 24/janeiro/2012.
Formatação atualizada em: 18/outubro/2017.

Nenhum comentário:

Postar um comentário